Contacto – Daelim XQ1 125 D – Qualidade acessível

No amplo segmento das scooters de 125 cc existe uma marca por vezes algo esquecida. A Daelim sempre se destacou pela boa relação preço /qualidade dos seus produtos, sendo esta belíssima XQ1 a topo de gama da marca entre as automáticas “oitavo de livro”.

Por Fernando Neto / Fotos Paulo Calisto

Há precisamente 20 anos atrás eu fui o feliz proprietário de uma Daelim VT 125, uma belíssima cruiser de roda lenticular traseira. Era com ela que me deslocava para a universidade e foi também aos seus comandos que comecei a realizar alguns passeios e viagens, com o gosto pelo motociclismo sempre a aumentar. E ao ter sido a minha primeira moto com mais de 50 cc, esta Daelim ficou na minha memória, mas a maioria dos motociclistas poderão nem conhecer esta marca coreana. Em Espanha a Daelim sempre apresentou bons números de venda, mas também é verdade que nos últimos anos a marca não tem crescido, mantendo-se algo no anonimato e a produzir veículos de baixa cilindrada. Mas esta XQ1 merecia sem dúvida uma avaliação.

Estética e construção

Com linhas imponentes e desportivas, a XQ1 é muito bonita e nesse aspeto não fica a dever em nada às melhores do segmento, fazendo mesmo lembrar a TMax, a rainha das maxi-scooters. Oferece uma posição de condução muito boa e um bom conforto, além de uma proteção aerodinâmica bem elevada que, inclusivamente poderá incomodar os utilizadores mais baixos na cidade devido à altura do ecrã. Nesta versão D encontramos a tradicional divisão central entre as pernas do condutor, mas existe uma versão mais básica, de plataforma forma (e mesmo preço final), que poderá agradar a muitos utilizadores por ser ainda mais prática de conduzir, a subir e descer do assento.

Outros detalhes: possui ignição sem chave! O facto de ser “keyless” é um dos principais argumentos do modelo, pelo que podemos andar sempre com o comando da scooter no bolso, nem necessidade de uma chave de ignição. O sistema funciona bem e é muito prático. A instrumentação é moderna e completa q.b., embora não tenha computador de bordo com informação sobre os consumos, e podemos alterar a cor do fundo da instrumentação, para nunca nos enjoarmos! Ainda em termos de equipamento, encontramos descanso lateral e central, tomada de 12V, porta-luvas, travagem integral com ABS (e manetes reguláveis) e um amplo espaço sob o assento, alcatifado e com luz, algo que outras scooters mais potentes e bem mais caras não possuem!

Especificações e condução

Em termos de motorização a XQ1 está equipada com um motor monociclíndrico de 124 cc com refrigeração líquida, capaz de debitar 12,9 cv às 8.500 rpm. A ciclística é a mais comum neste tipo de veículo, com suspensão telescópica convencional à frente e duplo amortecedor traseiro com regulável na pré-carga da mola, e em termos de rodas encontramos uma de 15’’ à frente e 14’’ na retaguarda, com pneu 140. O assento está colocado a apenas 790 mm do solo, o depósito tem 12 litros de capacidade e o conjunto tem um peso a seco de 130 kg.

Já sabemos como o equipamento é interessante e os assentos são muito confortáveis para os dois ocupantes, mas como serão as impressões de condução? Na verdade, ficámos desiludidos com a capacidade de aceleração do modelo, que é realmente fraca. O arranque é lento, as recuperações são complicadas e em subida / com vento contra / com passageiro, tudo piora. Depois, com o embalo consegue passar dos 100 km/h e chega inclusivamente aos 120 km/h em descida. Mais tarde, o responsável pelo concessionário onde entregámos a XQ1 disse-nos a marca tem equipado este modelo com roletes de variador bem mais pesados, que prejudicam bastante a aceleração, pelo que a alteração é muito simples se quiserem ter uma scooter de comportamento muito mais vivo na cidade. Se não chegarem a realizar essa alteração, ficarão com uma maxi-scooter interessante para deslocações de maior quilometragem mas limitada em cidade, onde convém ter uma boa saída dos semáforos.

O comportamento no geral é positivo – embora as suspensões sejam algo macias – a travagem é suficiente sem nada a apontar e os pneus Kenda funcionam bem, pelo menos a seco. Um ponto a melhorar é o acesso ao bocal de combustível, já que a mangueira está sempre a “disparar”, pelo que temos de a aliviar e o mais provável é entornarmos gasolina quando tentamos atestar. A nossa média, medida na bomba, foi de 3 l/100 km, valor normalíssimo para um modelo destas prestações.

Uma scooter bonita, bem equipada e com um preço acessível, faltando apenas ligeiras melhorias em alguns detalhes para se tornar numa das propostas mais interessantes do segmento.

Artigos relacionados

Open Day Yamaha Niken foi evento de sucesso da Motor 7

No passado sábado (23 de março) a Motor 7 realizou um Open Day dedicado à Yamaha Niken.

Miguel Oliveira está no 3.º lugar do Campeonato do Mundo de Moto2

Piloto da KTM alcançou um honroso terceiro lugar na corrida de Moto2 do Grande Prémio de Espanha, em Jerez de La Frontera, posicionando-se assim no terceiro posto do Campeonato do Mundo.

[Fotos] Apresentação internacional das novas Suzuki GSX-R 1000 e GSX-S 750

Pela manhã, os jornalistas portugueses irão rodar pelas estradas de Sintra e Cascais com a naked, enquanto que a nova super-desportiva irá ser testada em pista durante a parte da tarde.