Miguel Oliveira à Revista Motos – “admiro todos os meus adversários”

Após a fantástica vitória de Miguel Oliveira no GP da Styria – Áustria – em Agosto último, fizemos uma pequena entrevista ao jovem português, mas por diversas razões, só agora a conseguimos publicar. Por ter sido realizada há algum tempo, não iremos publicar a mesma na revista Motos, apenas no nosso site; mas não tendo perdido totalmente a atualidade aqui ficam algumas curiosidades relatadas por Miguel Oliveira. As fotos, essas são do último GP de Aragón.

Por Fernando Neto

Fotos: KTM Images

Motos – Miguel, o campeonato de MotoGP este ano – tal como o mundo em geral no ano de 2020 – está mais imprevisível do que nunca, uma montanha de emoções. Esperavas sinceramente no início do ano poder festejar vitórias durante esta época?

Miguel Oliveira – Sinceramente, desde o primeiro teste em Sepang e depois no Qatar, senti que a moto era bem mais competitiva, mas faltava o cenário de corrida. Nos testes fomos bastante rápidos, por isso seria expectável alcançar o pódio e vitórias.

Para quem vê do lado de fora, a tua KTM em 2019 parecia uma moto agressiva, difícil de pilotar e que não perdoava erros. Este ano parece estar completamente diferente, e pareces ter muito mais prazer em pilotá-la, é de facto assim?

M.O. – Sim, é um facto. Toda a moto é nova comparativamente a 2019 e as alterações implantadas permitem pilotar com menos stress.

Quais foram as principais evoluções técnicas/diferentes afinações/geometria/eletrónica que tornaram a moto muito mais competitiva este ano? O novo pneu Michelin traseiro ajudou-vos?

 M.O. – As maiores alterações centraram-se no trem dianteiro e no grip na extremidade do pneu, funciona tudo como um conjunto.

A que piloto atribuis mais responsabilidade na evolução da moto? A ti próprio? Ao Dani Pedrosa?

M.O. – Todos os pilotos aportam sugestões, o Dani é um piloto muito experiente e muito bom a desenvolver, e é claro que nos ajudou bastante.

Aparentemente as Yamaha e Suzuki são as motos mais fáceis (mas também menos potentes da grelha), enquanto as KTM parecem já bastante equilibradas em termos de prestações/facilidade de pilotagem, é assim? Ao que parece nunca houve falta de potência na tua moto…

M.O. – Não penso que as motos sofram com falta de potência. Existe sim um conjunto de fatores que permitem ser mais ou menos rápidas. Tanto a Yamaha como a Suzuki são motos aparentemente mais equilibradas e fáceis de pilotar.

Um dos maiores desafios para os pilotos e equipas está na escolha dos pneus? É fundamental a escolha do pneu certo para a corrida ou a excelente pilotagem pode colmatar uma escolha menos acertada?

M.O. – Obviamente que os pneus são a parte mais importante da moto, logo é importante trabalhar para decidir qual o pneu a usar em corrida. Por vezes podes ser rápido com um composto, mas que dura poucas voltas. Tudo é um equilíbrio entre a moto e estilo de pilotagem.

Qual o adversário que mais tens admirado ao longo desta época? Com a presença de Marc Márquez pensas que teria sido um campeonato totalmente diferente para todos os pilotos?

M.O. – Admiro todos os meus adversários, todos merecem o meu maior respeito. Quanto ao Marc, fica a dúvida, mas desejo que volte o mais breve possível.

A corrida em Portimão será certamente muito especial para ti. Pelas características da pista pensas que será também a corrida que mais complicações dará a todos os pilotos, a ti inclusivamente?

M.O. – Sim, sem dúvida que será muito especial, vou ter a oportunidade de correr em frente ao meu público e sobretudo dos meus fãs portugueses. O circuito de Portimão é um grande desafio para todos os pilotos, motos e equipas, vai ser interessante ver quem se adapta mais rapidamente às características do traçado.

Durante anos sonhaste com uma entrada no MotoGP. Agora que lá estás, sentes-te realizado e pretendes ficar na categoria enquanto fores piloto de competição?

M.O. – Sim, é um sonho tornado realidade. Obviamente que não me vejo em outra categoria.

Um dia (daqui a muitos anos) quando deixares de correr, imaginas-te mais a trabalhar na medicina dentária ou ligado à competição através de alguma equipa/piloto da tua escola de pilotagem?

M.O. – É algo que não penso no momento, mas é provável uma das duas opções.

É verdade que deste mais gás na Áustria depois de saberes que o prémio para o vencedor era um BMW M4? (risos).

M.O. – Embora tenha brincado com o Luís, o meu assistente, todo o fim de semana com isso, a verdade é que nem me lembrava que o carro era para mim. Quando o receber, vou pedir autorização à Hyundai para o conduzir.

Obrigado Miguel e continuação de um bom campeonato!

Artigos relacionados

Oferta da Top Case na compra de dois modelos da UM

Após a apresentação da gama 125cc de 2019 na “Vive la Moto” (feira de Barcelona) no passado mês de abril, a marca norte-americana UM pretende continuar a tornar os seus modelos cada vez mais atrativos para os seus clientes.

SC Vouga comercializa novo casaco LS2 Petrol

O casaco Petrol está inserido na gama de vestuário Touring da LS2 para 2020. Possui duas capas, uma exterior à prova de água e uma interior térmica mais discreta, removível e lavável.

Paulo Gonçalves termina Abu Dhabi em quarto lugar

Paulo Gonçalves, aos comandos de uma Honda, ficou em quarto lugar no rali Abu Dhabi Desert Challenge, prova da Taça do Mundo de todo o terreno.