Pedro Nuno sofre para fechar o Campeonato Espanhol de Velocidade

Pedro Nuno sofre para fechar o Campeonato Espanhol de Velocidade

Não foi definitivamente um fim de semana para recordar aquele que o Team Target e Pedro Nuno viveram no circuito de Navarra no encerramento do Campeonato Espanhol de Velocidade. Após um dia de qualificação marcado por condições de pista difíceis e uma jornada de treinos livres na sexta-feira onde um outro piloto embateu fortemente contra a moto de Pedro Nuno, deixando marcas na Yamaha R6 e no piloto, hoje de manhã no ‘warm-up’ uma queda obrigou a uma inesperada passagem pelo centro médico onde o piloto do Porto Alto foi mesmo suturado com três pontos no dedo mínimo da mão esquerda, o que aumentou ainda mais as dificuldades para o único luso que esteve este ano no competitivo campeonato do país vizinho.

Perante uma corrida com 15 voltas de duração aos 3.933 metros de perímetro do circuito e partindo na 14ª posição, Pedro Nuno sabia que a corrida seria muito complicada e limitada pela menor mobilidade e dores na mão esquerda, aquela que aciona a embraiagem numa moto. Após o arranque rapidamente o piloto português subiu na classificação e na segunda volta tinha já conquistado três posições, subindo ao décimo posto na décima volta para entrar num duelo com outros pilotos pelo fecho do ‘top-ten’ que acabou por conseguir na bandeira de xadrêz.

“Não foi claramente o resultado que queria e em condições normais sei que terminaria melhor esta corrida. Mas depois dos problemas de sexta-feira e da queda desta manhã era muito complicado conseguir fazer melhor partindo de 14º. Nas primeiras voltas consegui suportar bem as dores no dedo e na mão mas a segunda metade da corrida foi muito complicada. Não era este o resultado que queria e sabia poder conseguir, mas era complicado fazer melhor”, admitiu Pedro Nuno.

Ao cruzar a linha de meta na décima posição, Pedro Nuno somou mais sete pontos para o campeonato e despede-se deste seu ano de estreia com uma brilhante sétima posição final entre os 28 pilotos que pontuaram ao longo das sete corridas do calendário.

“Queria mais que o sétimo posto, mas num campeonato tão competitivo como este o resultado final é muito bom. Encontrei no CEV um nível de competição muito elevado e consegui junto com a minha equipa estar entre os melhores. O facto de não ter pontuado em Valência e na primeira corrida do ano em Albacete devido a uma desqualificação injusta acabou por me retirar importantes pontos. Mas foi um bom ano de aprendizagem e na próxima época estaremos seguramente mais fortes”, rematou.

Palavras do piloto da Unixira na despedida de Navarra e com o pensamento já em 2017 onde seguramente Pedro Nuno continuará em pista ao lado do Team Target.

Artigos relacionados

Inscrições no Lés-a-Lés vão esgotar antes da data limite

Mantendo a tradição do Portugal de Lés-a-Lés, na sua vertente mais antiga, em estrada, como na de Off-Road que cumpre a 5.ª edição em 2019, a grande adesão verificada promete esgotar o limite de 300 inscrições para a aventura em todo-o-terreno que, de 2 a 5 de outubro, vai ligar Vila Pouca de Aguiar à Praia de Faro, com paragens em Pampilhosa da Serra e Coruche.

Nacional de Motocross: casa cheia no regresso à catedral

Quatro anos depois, o Crossódromo Internacional de Águeda voltou a ser palco de uma etapa do Campeonato Nacional de Motocross.

[Vídeo] Nova Suzuki GSX-R 1000 na luta com as melhores super-desportivas do segmento

A nova Suzuki GSX-R 1000 promete voltar a lutar de igual para igual com as melhores super-desportivas do segmento, com o teste em breve na revista Motos!